segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mas já deixei...



Tenho uma particularidade instigante: preciso da solidão. Gosto de pessoas, preciso delas, não sei viver sozinha. Mas sou mimada, preciso quando eu quero. Sou egoísta, gosto de ver televisão sozinha, sem ninguém falando junto. Sou chata, não gosto de dividir banheiro com ninguém. Sou espaçosa, bagunço as minhas coisas. Preciso da solidão pra ler, pra olhar para o teto, pra tirar ponta dupla do cabelo, pra fazer as unhas, pra pensar em tudo, pra fazer nada. Preciso da solidão pra ser eu mesma. Pra fazer alongamento, rir de mim, chorar comigo. Não entendo como tem gente que não abre a janela em dias nublados. Eu adoro janelas abertas, esteja um dia lindo de sol ou um carregamento de nuvens cinzas. Tenho que sentir o ar que vem lá de fora, seja ele qual for. Com seu gosto, cheiro, textura. Falo algumas coisas esquisitas como essa, por exemplo, ar com textura. Conheço cores que ninguém conhece, vejo alguns filmes que grande parte da população acha tosco. Não gosto de deixar as coisas pela metade, mas já deixei..."

2 comentários:

@iamaburguesinha disse...

Sabe o que eu gosto quando leio teus textos, tipo esse? Que eu me enxergo neles

Layla Saluanne disse...

Graças a deus!hehe. As vezes penso que sou a única que é assim,sabe... Esses textos sempre falam alguma coisa sobre ser diferente,e até hj nunca encontrei ninguêm que pense igual a mim,por isso que as vezes me sinto tão diferente e distante do mundo.(até minha família me acha estranha! ashas)